Entrevista publicada em 21 de março de 2017 por Eder Fonseca em Negócios
Oferecido por:
 
 

“A minha mãe foi minha inspiração”
Bruno Sarti La Laina – Sócio-fundador da agência de passeios de helicópteros High Class

Imprimir

Bruno Sarti La Laina

Com um investimento inicial de R$1.350,00, em 2011 nascia a High Class. Bruno Sarti La Laina e Guilherme Guimarães Gracio, amigos de escola, então com 19 anos, resolveram criar uma empresa de “eventos diversos”: telegrama animado, cesta de café da manhã, serenata, loucuras de amor, e passeios de helicóptero (que eles achavam que não teria saída). Eles não tinham endereço comercial, pois todas os serviços eram fechados por telefone ou internet, mas o endereço que ia no cartão de visita e no site era da casa de Bruno. E assim, o primeiro cliente interessado no passeio de helicóptero (via anúncio Google), conversou algumas vezes por telefone e apareceu na “empresa” sem agendar. Era um policial militar que queria fazer uma surpresa para a esposa. Como bons empreendedores, Bruno e Guilherme receberam o cliente, o levaram até o home office da mãe de Bruno, deram todos os detalhes do passeio e algumas sugestões de como realmente encantar a esposa, apresentaram o contrato de serviço, elaborado por uma vizinha que sempre deu força aos jovens, e o negócio foi fechado. A High Class já realizou mais de 5 mil eventos (aproximadamente 20% voos panorâmicos, 40% VIP e 40% Premium) e é a única empresa de voos panorâmicos de São Paulo a ter parceria com Terraço Itália e Hilton Hotel. “Tivemos que aprender na raça, no dia a dia, porém fomos adaptando tudo e nunca tivemos medo de tentar”, afirma o empreendedor.

 

Bruno, como se deu o começo de sua carreira até chegar nos dias atuais?

A minha mãe foi minha inspiração, pois quando eu estava com 16 anos ela tinha uma empresa de Loucuras De Amor que era muito procurada, vivia com a agenda lotada, e frequentemente era obrigada a dizer “não” para clientes que a procuravam. Ver minha mãe negando serviço me cortava o coração, e foi aí que conversei com um grande amigo – o Guilherme – e decidimos montar a nossa equipe de Loucuras De Amor, para atender apenas os clientes que minha mãe dispensava. Porém o amor e carinho que dispensávamos a todos, fez com que nossa equipe se destacasse e se tornasse a preferência de muitos clientes. Sabe, acredito que colocar o sentimento em tudo que fazemos é o segredo do sucesso.

Trabalhei por muitos anos na Loucuras De Amor com o Guilherme, desde que tínhamos 18/19 anos, e enquanto nossos amigos estavam na balada, nós estávamos trabalhando. Chegávamos sempre tarde aos aniversários e nunca tínhamos horário livre, mas o que sempre me confortou é que eu trabalhava ao lado do meu melhor amigo, então o que era trabalho virava uma diversão. Durante os trajetos entre uma e outra Loucuras De Amor, que chegavam a 45km/60km, muitas conversas foram surgindo, e entre elas a vontade de criar a nossa própria empresa, sem ter de seguir as regras e os moldes já estabelecidos por minha mãe, poder fazer a coisa do nosso jeito.

 

Como surgiu a ideia da High Class?

Em uma dessas conversas, pensamos em montar uma empresa para realizar eventos diversos, incluindo passeio de helicóptero (naquela época, achávamos que isso quase não venderia). Nosso foco era os telegramas animados, cestas de café da manhã, serenatas românticas etc. Então fizemos um anúncio no Google com os vários serviços e o valor que colocamos foi praticamente consumido pelo link para os passeios de helicópteros (parte do site que nem estava pronta ainda). Assim percebemos que esse serviço era bastante procurado em sites de busca e decidimos concentrar nossos esforços em pacotes aéreos. Fomos estudar o mercado a fundo, entender a legislação, conhecer as aeronaves, ver como os concorrentes funcionavam. Nessas pesquisas descobrimos que as empresas vendiam apenas “um serviço” e não queríamos ser apenas mais uma. Agregamos carinho e luxo e transformamos o serviço em uma experiência High Class.

Para ter uma ideia, nós não tínhamos endereço comercial, pois todos os serviços eram fechados por telefone ou internet, mas o endereço que ia no cartão de visita e no site era da minha casa. E assim, o primeiro cliente interessado no passeio de helicóptero (via anúncio Google), conversou algumas vezes por telefone e apareceu na “empresa” sem agendar. Era um policial militar que queria fazer uma surpresa para a esposa. Liguei para o Guilherme, que morava perto de casa, e pedi para ele ir até lá para me ajudar a conversar com o cliente. Ele chegou, nós o levamos até o home office da minha casa, demos todos os detalhes do passeio e algumas sugestões de como realmente encantar a esposa, apresentamos o contrato de serviço (elaborado por uma vizinha que sempre nos deu força), e o negócio foi fechado. O passeio foi realizado e o cliente ficou muito satisfeito. Foi então que percebemos realmente o potencial dos passeios de helicópteros e resolvemos investir nos “eventos aéreos”.

 

Quais foram as maiores dificuldades para a implementação desse projeto?

Éramos muito jovens, não tínhamos experiência em aviação e tampouco em atender clientes, nem uma estrutura condizente com os serviços oferecidos pela empresa. Nosso escritório era na sala da minha casa. Tivemos que aprender na raça, no dia a dia, porém fomos adaptando tudo e nunca tivemos medo de tentar, pois o pior que poderia acontecer seria não fecharmos um contrato.

 

O que é mais motivador quando se começa um negócio com apenas R$ 1,3 mil e depois de algum tempo vê que ele está faturando 1 milhão de reais?

O que me deixa mais feliz é que tudo surgiu como uma ideia de dois amigos que almejavam ter independência financeira. Para nós os números são como troféus, e o mais gratificante é o reconhecimento de nossos clientes quando falam que tornamos as datas deles inesquecíveis. Nunca esqueço de um cliente chamado Ítalo, que contratou um de nossos passeios surpresa para sua esposa. Quando os abordamos no Bar Brahma Aeroclube, apenas dizendo que o presente estava começando naquele momento, a emoção dela já estava a mil. Quando chegaram em nossa Sala VIP ela caiu no choro! Foi ali, servindo um espumante rosé, com os olhos cheios de lágrimas, que tive a certeza de que trabalharia com isso mesmo se não recebesse um real. É gratificante, me enche de vida.

 

As turbulências econômicas do país têm afetado de alguma maneira a High Class?

Graças a Deus nossa demanda tem crescido cada vez mais devido às parcerias e novos métodos de divulgação, promoções e concursos. Além disso contamos com uma assessoria de imprensa que tem sido fundamental para divulgação dos nossos produtos e serviços.

 

Qual papel da internet no começo e no atual momento do negócio de vocês?

Hoje em dia a internet é fundamental em qualquer segmento, ainda mais para procurar um serviço exclusivo, sobre o qual o cliente final não tem conhecimento do funcionamento. Então tentamos simplificar a vida deles, de uma forma que, com apenas alguns e-mails, eles tenham todas as informações e segurança para contratar o passeio e fazer de uma data especial um momento inesquecível. Acredito que sem a internet seria praticamente impossível vender nossos serviços.
Os Sócios

Serviços: Os jovens sócios Bruno e Guilherme (Foto: Josué Soares dos Santos)

 

Em uma certa ocasião, você afirmou que quer encantar o cliente. Em que momento esse pensamento se tornou fixo em sua mente?

Desde o início da minha carreira a satisfação do cliente vem em primeiro lugar. Mesmo nos dias que temos que realizar 10 passeios em um período de 6 horas, tratamos cada cliente como se fosse único, pois são 10 clientes confiando em nossa empresa para realizar o pedido de casamento, a comemoração de 40 anos de casados, o presente jamais imaginado nas mais diversas ocasiões etc. Além disso, um cliente feliz e satisfeito recomenda os serviços, e hoje de 35% a 40% dos clientes chegam até nós por indicação.

 

Gostaria que falasse um pouco da parceria que possuem com o Hilton São Paulo Morumbi e com o Terraço Itália e no que eles são vitais para o negócio de vocês.

Sempre tentamos passar um grau de excelência para nossos clientes em todos os serviços oferecidos, e o Hilton São Paulo Morumbi hoje é considerado um dos melhores hotéis 5 estrelas de São Paulo que conta com heliponto. Quando começamos a trabalhar com o Hilton, o hotel não estava acostumado a receber esse tipo de cliente, porém, em parceria, fomos adaptando os pacotes e chegamos a um produto realmente inovador. O Terraço Itália também foi primordial, embora a ideia da parceria tenha partido deles. É que um dos pontos turísticos pelos quais nossos voos passam é justamente o prédio do Terraço Itália, e de tanto os helicópteros aparecerem por lá os clientes do restaurante começaram a perguntar como é que eles poderiam fazer aquele passeio. Diante disso, a Juliana, responsável por eventos do Terraço Itália, entrou em contato conosco e fechamos uma parceria que tem sido um grande sucesso. Hoje a High Class está na carta de indicações do Terraço Itália e recebemos muitos clientes por intermédio deles.

Outra empresa que nos acolheu desde o início foi a Helimarte Táxi Aéreo, que hoje nos dá todo o suporte que precisamos. Entre a gente a relação cliente/fornecedor não existe, é como se fôssemos uma grande família unida para tornar a vida dos nossos clientes inesquecível.

 

Como o seu sócio Guilherme Guimarães, tem lhe complementado no dia a dia da operação da High Class?

O Guilherme foi o fundador da empresa juntamente comigo há muitos anos. Hoje ele é meu pé direito e mão direita. É gratificante poder trabalhar ao lado de uma pessoa 100% coração. Ele trata os clientes com um carinho único, e sente ciúme da empresa como se fosse a filha dele. Temos a mesma sintonia quando o assunto é trabalho, corremos atrás dos mesmos objetivos, e fora do trabalho também é parecido, somos os melhores amigos há 10 anos.

 

O transporte aéreo de executivos é algo que faz parte do planos da High Class, ou o foco são os pacotes sofisticados e as voltas de meia hora pela capital e pelo litoral paulista?

Gosto de brincar com os clientes que não vendemos um voo, mas um pacote de emoções, e assim queremos continuar. Esses dois segmentos são muito diferentes um do outro, pois o Táxi Aéreo é um produto voltado para o público executivo, que está sempre com pressa e precisa de facilidades, com o qual não temos um contato direto. Então estamos criando um produto específico para esse público, e com isso acreditamos que o faturamento da empresa crescerá muito em 2017.

 

Como pretende fazer a High Class ser diferenciada, valorizada e ao mesmo tempo inovadora no mercado?

Com produtos e serviços de qualidade inigualável, prezando muito pela segurança dos passageiros. A High Class paga taxas extremamente altas para fornecer aos clientes aeronaves homologadas para táxi aéreo (80% da frota em São Paulo é clandestina); nossos pilotos passam constantemente por cursos e treinamentos para estar sempre preparados a receber os casais apaixonados e seguir rigorosamente as normas de segurança; nossos parceiros (hotéis, restaurantes, motorista/carro executivo, fotógrafo) são treinados e brifados para seguirem a mesma linha da empresa desde o primeiro contato; em nossa sala VIP exclusiva no Campo de Marte servimos bombons finos, espumantes importados, whiskies de marcas famosas e renomadas no mercado. Não poupamos gastos com nenhum detalhe para transformar um passeio de helicóptero em uma experiência inesquecível.



Patrocinado por
Sapato Site

Eder Fonseca

 
Fundador do portal Panorama Mercantil.