Entrevista publicada em 14/03/2018 por Eder Fonseca em Publicidade
 
 

“A publicidade caminha para o digital”
Piero Motta – Sócio e VP Executivo da agência We

Piero Motta

Piero Motta fundou a Agência We com Fábio Rosinholi. Ao longo dos anos, a We cresceu de forma contínua e hoje ocupa a décima nona posição do ranking no mercado brasileiro. É a maior agência 100% nacional, independente, e trabalha exclusivamente com marcas e empresas do setor privado. A We não tem um discurso pronto, não se prende a um modelo. Não é uma agência offline e nem é uma agência online porque o trabalho criativo que gera resultados acontece em qualquer plataforma. À frente da gestão e do desenvolvimento de negócios, Piero vem contribuindo para um modelo colaborativo, coletivo e que se renova diariamente para gerar resultados e ajudar a construir o futuro da comunicação no país. “Nesses 15 anos de existência, a We possui cases muito bons, porém, o que chama mais minha atenção é o da OLX. Foi um desafio enorme ter que mudar o hábito do consumidor brasileiro, que não tem costume de revender as coisas que não quer mais. Não faz parte da na nossa cultura. Criamos o “Desapega”, onde mostrávamos que aquilo que já não servia mais poderia virar uma renda extra. É muito gratificante ter conseguido emplacar a campanha não só como um case de sucesso para a marca, mas também como um bordão que foi inserido nas conversas até os dias de hoje”, afirma o publicitário que comanda a agência que tem como clientes as famosas EMS, Proibida, Taco Bell entre outras.

 

Piero, para onde você acredita que caminha a publicidade em nosso país?

A publicidade caminha para o digital. Uma tendência que virou realidade há mais de 20 anos, com o surgimento da internet comercial e as incríveis oportunidades que isso trouxe para as marcas.

 

A “guerra” entre agências e consultorias deve se acentuar ainda mais em 2018?

Acredito que sim. Porém, temos que entender que temos papéis diferentes. As consultorias ainda vão pelo lado do processo, métricas e otimização, esquecendo a questão da criatividade e do lado emocional, que é essencial para o nosso mercado.

 

Que erro pode ser fatal para uma agência de publicidade nos dias atuais?

O maior erro que uma agência pode cometer é não possuir o digital dentro da sua própria estrutura.

 

Poderia nos elencar os maiores desafios em dirigir uma agência como é o caso da We?

O maior desafio da We é ser uma agência 100% nacional e independente no meio de tantos players internacionais, que são muito capitalizados. É muito desafiador convencer o grande anunciante a tomar uma decisão da mudança.

 

Quais os ingredientes são necessários para uma campanha de marketing bem-sucedida?

Em primeiro lugar, um bom planejamento e ainda digo mais: uma criação ligada ao bom planejamento. Algo que valorizamos muito na We, desde o início, é a parte de mensuração. Vemos se os caminhos adotados estão no rumo certo, tendo sempre a agilidade para fazer correções o mais rápido possível.

 

O que seria um engajamento perfeito de uma marca em sua visão?

Acredito que o consumidor hoje precisa ser tratado como se fosse único. O parâmetro precisa estar em cima do comportamento do consumidor e não apenas numa análise de cadastro de compra. Assim temos que a possibilidade de cada vez mais ser assertiva com o direcionamento da mídia perante ao consumidor.
O sócio da agência

Consistência no Mercado: O sócio da agência We, Piero Motta (Foto: Divulgação)

 

Qual o papel do boca a boca no meio digital?

O marketing boca a boca sempre foi um instrumento de marketing extremamente poderoso. Hoje em dia ainda mais com a internet. Cada consumidor, cada cliente tem um microfone na mão e a com a ascensão da mídia e da comunicação por meios digitais cada vez mais as mensagens são compartilhadas numa velocidade incontrolável.

 

A We é a maior agência 100% nacional independente. Como a empresa mantém o seu espírito e foco num mercado inundado por grandes agências internacionais?

Acredito que temos uma grande vantagem. Diferente dos grandes grupos internacionais, nascemos num cenário em que a tecnologia já estava inserida na nossa cultura o que determinou a maneira como a gente se organiza. Temos esse DNA e conseguimos entender bem os clientes, os quais eu gosto de chamar de “clientes da nova economia”, que não são necessariamente startups, mas sim anunciantes que precisam de uma comunicação inovadora e rápida. Foi assim que conseguimos criar cases para marcas como Catho, Proibida e Netshoes.

 

Qual case de sucesso da agência We é especial para você e por quê?

Nesses 15 anos de existência, a We possui cases muito bons, porém, o que chama mais minha atenção é o da OLX. Foi um desafio enorme ter que mudar o hábito do consumidor brasileiro, que não tem costume de revender as coisas que não quer mais. Não faz parte da na nossa cultura. Criamos o “Desapega”, onde mostrávamos que aquilo que já não servia mais poderia virar uma renda extra. É muito gratificante ter conseguido emplacar a campanha não só como um case de sucesso para a marca, mas também como um bordão que foi inserido nas conversas até os dias de hoje.

 

Como a We pretende ser uma agência diferenciada, valorizada e o mesmo tempo inovadora pelos próximos anos vindouros?

A We é uma agência viva que está em constante processo de transformação, sempre querendo melhorar, inovar e investir naquilo que acreditamos. Uma das maneiras que poderia citar, é a criação do Grupo We, composto pela agência We, pela agência LVL e pela We Live Marketing. Ouvimos de vários anunciantes o desejo de serem atendidos por uma agência que possua serviços integrados, a fim de facilitar e agilizar os processos. Abrimos o Grupo We exatamente pensando nessa oportunidade: ser um parceiro integrador de comunicação, sempre preservando a especialidade de cada profissional.

Um vídeo da criativa agência We

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo e editor do Panorama Mercantil.