Entrevista publicada em 21/05/2014 por Eder Fonseca em Ativismo
 
 

“Culpar o Estado é culpar ninguém”
MV Bill – Rapper, cineasta, ator, escritor e ativista social

MV Bill

O carioca Alex Pereira Barbosa mais conhecido pelo nome artístico MV Bill, é um rapper, escritor e ativista social influente. Iniciou a carreira na música em 1988, quando começou a escrever sambas-enredo para seu pai, sendo que em 1993 fez sua primeira participação em um disco oficial. Seu primeiro álbum foi lançado em 1999 sob o título de Traficando Informação, que contou com a faixa “Soldado do Morro”, que fez MV Bill ser acusado de apologia ao crime. Três anos depois, gravou o segundo trabalho, chamado Declaração de Guerra, com participações de artistas como Charlie Brown Jr e Nega Gizza. Sua discografia ainda abrange outros dois álbuns, Falcão, O Bagulho é Doido de 2006, e Causa E Efeito de 2010. Ainda lançou um disco de vídeo em 2009, intitulado Despacho Urbano. Paralelamente à carreira de rapper, MV Bill lançou em 2005, junto com Celso Athayde, o livro Cabeça de Porco. No ano seguinte, lançou Falcão – Meninos do Tráfico, disponibilizado em livro e DVD, que tornou-se conhecido nacionalmente após exibição no programa Fantástico da Rede Globo. “A política de segurança dentro das favelas é uma questão que sempre foi reivindicada pela própria favela. Não só de segurança, como uma política de educação, de saúde e cultura. Não podemos deixar de reconhecer que foi um avanço, que até aqui não havia sido feito, mas junto com a política de segurança devem vir todas as outras que fazem muita falta nas favelas.” 

 

Rapper, cineasta, ator, produtor e ativista. Sabemos que todas as atividades em que você está inserido, tem a sua importância, mas se fosse para escolher uma, qual seria para divulgar a sua arte e sua mensagem?

O meu trabalho é um mix de todas essas atividades. O movimento hip hop não é apenas uma ação isolada, sendo assim, o meu trabalho consolida todas as atividades e de certa forma todas as atividades consolidam e constroem o meu trabalho. É um círculo.

 

O que mais lhe incomoda quando a mídia trata de assuntos referentes às comunidades do Rio de Janeiro?

Em primeiro lugar quando a mídia chama de “comunidade” para agradar aos moradores da favela, como se isso fosse uma maneira de amenizar o sofrimento das pessoas. Dessa forma, acaba induzindo que os próprios favelados também chamem assim. Mas quando o assunto é tragédia e desgraça, volta a ser “favela”. O importante é perceber que a favela não é somente um lugar de mazelas, mas sim um lugar onde existe os mais diversos tipos de expressões culturais, artísticas, esportivas, etc.

 

Na sua visão, as UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora) estão desempenhando um bom papel?

A política de segurança dentro das favelas é uma questão que sempre foi reivindicada pela própria favela. Não só de segurança, como uma política de educação, de saúde e cultura. Não podemos deixar de reconhecer que foi um avanço, que até aqui não havia sido feito, mas junto com a política de segurança devem vir todas as outras que fazem muita falta nas favelas. Enquanto houver venda de drogas nas favelas vai haver confronto entre os policiais, moradores e viciados. Ocupar é diferente pacificar.

 

Quando fazíamos pesquisas para entrevistá-lo, muita gente lhe chamou de “vendido”. Você acredita que por participar ativamente na grande mídia, as pessoas têm uma visão distorcida sobre quem é você?

Temos que avaliar o contexto e a quantidade de pessoas que disseram isso na pesquisa,“muita gente” é uma expressão bastante relativa. Mas é natural que existam pessoas que concordem e que discordem do que eu faço. Quem sabe do meu trabalho e da minha luta durante toda essa trajetória entende que o nosso objetivo não é reclamar dos espaços que não foram oferecidos aos negros no Brasil, mas ocupá-los. Ocupar todos os espaços com os negros e favelados. Essa ocupação é o nosso plano de paz. Possivelmente alguém vai discordar que eu dei essa entrevista e eu vou compreender, discordar de mim é legítimo.

 

Por que acredita que outros rappers têm ojeriza em aparecer e divulgar o seu trabalho na grande mídia como você faz?

Precisa ver antes se essa ojeriza é concreta. É um meio onde há muita recusa pra convite que nunca foi feito.

 

“Feio e esperto com uma cara de mau, a sociedade me criou mais um marginal, eu tenho uma 9 e uma HK, com ódio na veia pronto para atirar.” O Estado é o principal culpado pelos soldados do morro?

Culpar o Estado é culpar ninguém. O Estado tem sua responsabilidade também claro. O equilíbrio social é alcançado quando todas as pessoas têm oportunidades, podendo fazer uso delas ou não. A política social que segrega é culpa do Estado. A organização monetária que permite que apenas uma classe social fique a margem das oportunidades é culpa do Estado. Mas todos os que permitem que haja corrupção também são responsáveis pelo caos da nossa sociedade, direta ou indiretamente.
José Mariano Beltrame

Percepção: José Mariano Beltrame e o rapper MV Bill (Foto: Mariana Vianna/AP)

 

Você diz que no seu caso, fazer show fora do Brasil é pouco atrativo. Não seria interessante levar a sua mensagem para outros países também?

Já toquei na África, na Europa, nos EUA… Foi bem legal, mas hoje o que me dá mais prazer musical é tocar no Brasil, em qualquer parte e pra qualquer tipo de gente que quiser ouvir minha música.

 

O Brasil é um país racista e classista como grandes ativistas da raça negra afirmam categoricamente?

Não precisa ser um grande ativista da raça negra para perceber o país em que vivemos. Para perceber as agressões pelas quais os negros passam diariamente, sendo elas veladas ou não tanto. Precisa somente ter os olhos e ouvidos abertos. Portanto, sim o Brasil é um país racista. Ser classista é apenas uma consequência disso. É apenas a consequência de anos de desigualdade e violência verbal, física e moral a qual os negros são submetidos. Há os que defendem que a diferença social no Brasil é baseada em classes, não em raça e que as políticas sociais não devem prever distinção de cor. Mas como não fazer distinção de cor, se essa distinção vem sendo feita desde que o Brasil era uma província? E aí não se trata de se ancorar no passado, como alguns insistem em defender. Trata-se de políticas públicas que abarque anos de marginalização.

 

A arte deve ter necessariamente um papel social?

Não podemos ser ingênuos em pensar que a arte não exerce papéis na sociedade. Ela exerce determinados papéis, como distração, entretenimento, alienação e também pode se propor a exercer um papel social, de conscientização. Eu escolhi fazer arte com uma vertente social, mas não acho que ela tenha que fazer esse determinado papel. Há espaço para todos os tipos de arte, até mesmo para que a sociedade tenha opções.

 

Você disse que nada justifica um CD custar o preço de R$ 30,00 e que a grande culpa disso acontecer é apatia dos próprios artistas. Por que você acredita que a classe artística é tão desunida em nosso país?

Nesse caso não se trata de desunião. Fiquei impressionado em saber que um CD pronto poderia custar menos de 2 reais e nas lojas 30! Nesse período o disco que eu trabalhava era o “Causa E Efeito” (2010) no valor de R$ 5,00. Hoje eu lanço na internet e distribuo gratuitamente o CD físico nos shows.

 

Quando você lançou em 2000, o videoclipe “Soldado do Morro”, houveram críticas pesadas pois um fuzil aparecia no mesmo. A sociedade tem uma certa dificuldade de se ver?

Faz parte do processo

 

Em o “O Soldado que Fica” você coloca mais uma vez as ocupações policiais nas favelas do Rio de Janeiro em xeque. Pelo que entendemos então, essa conversa de pacificação não existe. Essa nossa percepção está correta?

Há uma tentativa de pacificação que parece ser bem intencionada, mas se quiser atingir metas maiores precisa seguir o conselho do secretário de segurança do Rio [José Mariano Beltrame], que disse: “As outras forças do Estado precisam entrar nas favelas na mesma proporção policial. A Polícia não resolverá todos os problemas”.

 

Você se considera um polemista, um provocador, ou simplesmente um retratista de um mundo que muitos fecham os olhos fingindo não existir?

O trabalho que realizo é crônico. Canto o que vejo, faço o que vejo, falo o que vejo. Muita gente só percebe o que está a sua volta a partir de trabalhos como o nosso. Muita gente vai perceber as desigualdades e não vai fazer nada. O lugar sobre o qual eu falo é um lugar como qualquer outro, a diferença é que aqui a desigualdade é gritante.

Um vídeo do rapper MV Bill

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo e editor do Panorama Mercantil.