Entrevista publicada em 30/04/2014 por Eder Fonseca em Comunicações
 
 

“Desenvolvi aversão quase física à política”
Ricardo Boechat – Âncora do Grupo Bandeirantes de Comunicação e colunista da revista ISTOÉ

Ricardo Boechat

Nascido em Buenos Aires, Ricardo Eugênio Boechat é um dos mais influentes jornalistas do país. Boechat já esteve presente em jornais como O Globo, O Dia, O Estado de S. Paulo e Jornal do Brasil. Trabalha diariamente como âncora de dois jornais nas redes Band News FM e Band ambas do Grupo Bandeirantes de Comunicação, além de ter uma coluna semanal na revista ISTOÉ. É ganhador de três Prêmios Esso (concedido anualmente a jornalistas e veículos de comunicação que se destacam). Ao trabalhar em reportagens na guerra pelo controle das companhias telefônicas no Brasil, teve sua participação revelada em reportagem publicada na revista Veja em junho de 2001. O colunista foi demitido do O Globo e da Rede Globo, onde tinha uma coluna no Bom Dia Brasil quando a revista publicou trechos de um grampo telefônico em que ele estava revelando ao empresário Paulo Marinho, o conteúdo das matérias que foram publicadas pelo jornal. “A “grande imprensa” é mais imune a pressões externas e internas do que a “média” e a “pequena”. Vulnerabilidade econômica é a porta mais larga de todas para passagem de interesses contrários à notícia isenta. Quanto à parte que me toca, posso falar sobre a Band e sobre O Globo. Jamais sofri qualquer constrangimento em função das opiniões que expresso na rádio e na TV. Jamais. E é notório que muitas delas não coincidem com posições defendidas pela emissora em seus editorais”, afirma o jornalista. 

 

O senhor é talvez, um dos poucos jornalistas no país que não tem medo de dar opiniões. Já teve algum dissabor por conta disso?

Definitivamente não sou ‘um dos poucos’ jornalistas opinativos do país. Há inúmeros, especialmente se considerarmos todo o universo existente além das redações, na internet. Os contratempos (no momento, sou réu em pelo menos 80 processos judiciais) não merecem ser chamados de dissabor. Fazem parte do jogo.

 

Muitos dizem que o senhor é o discípulo mais notório do falecido colunista Ibrahim Sued. Considera-se um discípulo do falecido jornalista?

Aprendi com o Turco os fundamentos do ofício – cultivar fontes, aprimorar o faro para notícias (e para detectar cascatas), síntese narrativa (as notas de coluna precisam ser curtas, diretas), a encarar esporro (hoje se chamaria bullying…) pelo ângulo didático, etc. Mas muitas de minhas posições nem de longe teriam a concordância dele. Pelo contrário. Eu levaria novos esporros…

 

Acredita que os colunistas perderam àquele poder que tinham em outrora ou são épocas diferentes?

Já há muito tempo essa medida de ‘poder’ não é boa para avaliar colunistas. Até a geração do próprio Ibrahim penso que se podia classificá-los como mais ou menos ‘poderosos’ – no sentido de que influenciavam (alguns bastante) núcleos de decisão em várias esferas, construíam legiões de seguidores, criavam estilo, faziam moda, desenvolviam linguagem própria, etc. Quer como personagens, como testemunhas ou ‘juízes’ dos fatos narrados, os colunistas eram, eles mesmos, notícia frequente nos espaços que assinavam nos jornais. Mas há décadas as colunas de notícia feitas na primeira pessoa (algo comum até os anos 60/70) sumiram das páginas (confesso que não sei se ressurgiram na rede de computadores), dando lugar a colunistas que atuam mais como repórteres de bastidores, impessoais. Sua influência, nesse sentido, passa a depender exclusivamente do interesse geral naquilo que publicam e não mais naquilo que são ou fazem.

 

Existe liberdade de imprensa na grande mídia do nosso país, ou isso é uma falácia?

A “grande imprensa” é mais imune a pressões externas e internas do que a “média” e a “pequena”. Vulnerabilidade econômica é a porta mais larga de todas para passagem de interesses contrários à notícia isenta. Quanto à parte que me toca, posso falar sobre a Band e sobre O Globo. Jamais sofri qualquer constrangimento em função das opiniões que expresso na rádio e na TV. Jamais. E é notório que muitas delas não coincidem com posições defendidas pela emissora em seus editorais. Não pode haver liberdade maior. A Band me defende incondicionalmente em todos os processos a que respondo, com advogados pagos por ela. Não seria justo omitir que O Globo, onde trabalhei durante décadas, tenha agido de forma diferente em relação ao respaldo jurídico. Quanto à conduta diante de opiniões e mesmo denúncias que divulguei como colunista, houve dois ou três episódios – repito, em décadas – que provocaram reações adversas do Roberto Marinho (num deles chegou a mandar demitir-me, mas, no mesmo dia, João Roberto Marinho, seu filho, e Evandro Carlos de Andrade, Diretor de Redação, acalmaram os ânimos do patrão e ficou por isso mesmo). Também cabe ressaltar que, na Band, faço comentários mais contundentes do que jamais fiz no Globo – embora isso nada tenha a ver com limitações impostas pelo Globo. Na verdade, quem mudou fui eu. Mesmo assim, me pergunto se O Globo “bancaria” o crítico em que me tornei. Suspeito que seria bem mais difícil do Globo do que na Band ser o que sou hoje.

 

Em uma entrevista, o senhor afirmou que tomou uma “porrada” das Organizações Globo no auge da carreira. Como era a relação dos poderosos com você antes desse fato ocorrer ou seja, tinha muita gente pedindo para dar uma nota, já que naquela época era sem sombra de dúvidas, o homem mais influente da imprensa brasileira?

A “porrada” foi a demissão em 2001, a reboque de uma canalhice da Veja contra mim – das típicas que a revista se especializou em publicar, travestidas de ‘notícia’. Veja fez o que sabe fazer de melhor. E O Globo, com sua redação à época comandada por carreiristas, prestou inexplicável vassalagem à Abril, degolando sem direito à defesa um companheiro com 35 anos de casa, já posto à prova em incontáveis situações e suficientemente conhecido de todos. Minhas declarações a respeito, desde então, foram muitas e estão disponíveis na internet. Quem quiser aprofundar-se sobre o caso, quase 15 anos depois, tem ali material suficiente para concluir o que achar melhor.

 

Muitos quando lhe perguntam o que acha da política nacional, tem apenas uma resposta: “Não me provoque”. O que mais lhe embrulha o estômago na política?

Não me lembro de usar essa resposta. Afinal, que perigo ofereço, quando provocado? De qualquer forma, desenvolvi, de fato, aversão quase física à política e aos partidos no Brasil. Com exceções que mais servem de álibi à maioria corrupta, legitimando o processo que a mantém no poder, as máfias partidárias tomaram posse do Estado, através de eleições onde o voto não vale nada e que estas máfias jamais perderão (mesmo quando achamos que foram derrotadas…), ao menos enquanto alguma ruptura nesse processo não ocorrer. E não vejo ruptura alguma no horizonte. Quem manda no Brasil, de fato, é a escória da escória política, às vezes sem mudar, sequer, o sobrenome.
Band News FM

Credibilidade: Ricardo Boechat trabalhando na Band News FM (Foto: Divulgação)

 

O Brasil precisa de um controle social na mídia?

A mídia que precisa de controle social, seja lá o que isso signifique, é a que está nas mãos dos governantes, do Estado. Temos TV Senado, TV Câmara, TV Justiça, TVs de assembleias legislativas, de câmaras municipais, Voz do Brasil e assemelhadas que, a pretexto de uma utilidade bastante discutível, onera os contribuintes que bancam orçamentos absurdos, o empreguismo desenfreado, a vassalagem editorial e outras finalidades reais dessa gigantesca rede chapa branca. Isso sem contar com a quantidade, também assombrosa, de emissoras controladas por políticos das mais variadas legendas, a serviço evidente desses mesmos políticos. Isso sim é um perigo real para a informação isenta e a opinião independente.

 

O senhor diz que o noticiário político é a coisa mais chata da rotina profissional de um jornalista. E qual é a parte do noticiário que lhe dá mais prazer?

Sem dúvida aquela que envolve a participação direta do cidadão, como fonte, como personagem, como interlocutor, como alvo. O jornalismo político se alimenta 90% de blá-blá-blá gerado nos gabinetes, nos salões e nos restaurantes de Brasília. Haja saco… Para provar o que digo, basta a leitura retroativa dos jornais. Busque-se, aleatoriamente, as páginas políticas, digamos, de dois, três anos atrás (ou de qualquer outro tempo). Vejam o quanto de cascata, de mentira, de falsa importância, de oba-oba nos entregaram as manchetes…

 

Como vê a qualidade da informação na era digital?

Cada vez melhor, ao contrário do que muitos colegas enxergam. Não atuo nessa área, por incapacidade tecnológica. Mas vejo nela o horizonte único da troca de informações. Ou será que teremos jornais impressos daqui a 50 anos? Não estarei vivo, mas sentiria saudade, se estivesse… Mesmo assim, a era digital engolirá o mundo da comunicação sem deixar sobreviventes à margem. E com uma vantagem gigantesca sobre o que se fez até aqui em termos de informação: todo mundo participa, todo mundo é ‘Testemunha Ocular da História’ – e não mais, apenas, nós, os jornalistas.

 

Imparcialidade jornalística é uma utopia?

Não. Está presente em muitos textos, em muitas coberturas. Mas tampouco é uma realidade absoluta.

 

Acredita que o jornalismo está caminhando para qual direção, já que como o senhor diz, cada vez mais as pessoas estão se tornando jornalistas?

Não sei… Mas não acho que será pior. Repito: a acelerada conectividade global, a evolução dos aparelhos de comunicação, sua crescente portabilidade e redução de preço tendem a fazer de cada cidadão um ‘redação’ individual, com capacidade de capturar imagens e sons, editar esse conteúdo e difundi-lo mundialmente. Não se deve temer esse amanhã.

Um vídeo do jornalista Ricardo Boechat

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo e editor do Panorama Mercantil.