Entrevista publicada em 17/05/2010 por Eder Fonseca em Música
 
 

“Eu nunca me espelhei em ninguém”
Martinho da Vila – Cantor, compositor e escritor

Martinho da Vila

Nascido em Duas Barras, filho de lavradores da Fazenda do Cedro Grande, Martinho José Ferreira mudou-se para o Rio de Janeiro com apenas quatro anos. A carreira artística surgiu para o grande público no III Festival da Record, em 1967, quando concorreu com a música “Menina Moça”. O sucesso veio no ano seguinte, na quarta edição do mesmo festival, lançando a canção “Casa de Bamba”, um dos clássicos do sambista. É, desde 2005, filiado ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Em 2009, foi lançado o documentário “O Pequeno Burguês – Filosofia de Vida”, que conta um pouco da vida artística e particular do artista. Embora internacionalmente conhecido como sambista, com várias composições gravadas no exterior, Martinho da Vila é um representante da MPB sendo um compositor eclético que criou músicas dos mais variados ritmos brasileiros. “Sempre fui livre. Escrevi num samba: “A liberdade é um sonho de quem permitiu se aprisionar”. Criei o grupo para, sendo proprietário de uma editora musical, outra literária, um selo fonográfico e uma produtora artística, poder ter o domínio das minhas criações. (…) O agradável é que o samba, antes perseguido pelo poder, hoje é assediado por ele e entre os sambistas que antes eram todos pobres e discriminados, há muitos bem-sucedidos e conceituados”, afirma o renomado cantor, compositor e escritor.

 

Quando o senhor iniciou a carreira, imaginou chegar onde chegou?

Não, mesmo com muitas pessoas me dizer vaticinado, como o meu compadre Ricardo Cravo Albim e o Marcus Pereira, um publicitário que apostou em mim.

 

Quem o inspirou fazendo pensar: “puxa um dia eu quero ser igual ou até melhor que esse cara?”.

Não me espelhei em ninguém e nunca tive tal pensamento.

 

A qualidade musical em nosso país melhorou ou piorou, desde que o senhor lançou seu primeiro álbum homônimo em 1969 até o último ‘Pequeno Burguês’ de 2008?

Melhorou muito. Quando comecei, no Brasil predominava a música americana e o iê-iê-iê. A Bossa Nova, rica em harmonia, era poeticamente alienada, o que mudou mais tarde, com Nara Leão.

 

O senhor é filiado ao PCdoB desde 2005. Sinceramente acredita na política nacional?

Na democracia tem-se que valorizar a política, apesar dos pesares.

 

O Governo do presidente Lula está aprovado na sua concepção?

Está. Na minha e na grande maioria dos brasileiros. Em termos internacionais, nunca tivemos um presidente com maior prestígio.

 

Como foi vender mais de 1 milhão de cópias com o CD “Tá Delícia, Tá Gostoso”, talvez o mais representativo de sua carreira?

O disco mais representativo da minha carreira foi o primeiro LP, pois, aplicando as devidas proporções de mercado entre uma época e outra, vendeu muito mais. O “Tá Delícia” foi importante porque me deu o título de “único sambista de mais de um milhão”, marca alcançada por poucos artistas, em geral, na história da música.

Mart´nália Ferreira

Samba na Veia: Martinho da Vila com a sua filha Mart´nália (Foto: Fábio Motta/AE)

 

Qual foi o real motivo que fez o Shopping Iguatemi fechar o ‘Butiquim do Martinho’, já que lá era um lugar aprazível para quem gosta de boa música e diversão?

Não foi o Iguatemi que o fechou, fui eu. O motivo é que a nova direção do shopping ficou muito incômoda e não cumpria o combinado que estava nas entrelinhas do contrato. Também foi porque eu me mudei de Vila Isabel para a Tijuca, por motivos particulares e, dado à distância, não podia dar a mínima assistência necessária.

 

O atual cenário do samba lhe agrada?

O agradável é que o samba, antes perseguido pelo poder, hoje é assediado por ele e entre os sambistas que antes eram todos pobres e discriminados, há muitos bem-sucedidos e conceituados.

 

O senhor criou o grupo empresarial ZFM para ter uma maior liberdade artística ou um cantor consagrado já está “libertado?”.

Sempre fui livre. Escrevi num samba: “A liberdade é um sonho de quem permitiu se aprisionar” [trecho da música "De Pai Para Filha" do disco "Efeitos da Evolução"]. Criei o grupo para, sendo proprietário de uma editora musical, outra literária, um selo fonográfico e uma produtora artística, poder ter o domínio das minhas criações.

 

O fardão da Academia Brasileira de Letras é um sonho?

Sim, mas não é um sonho vaidoso e particular. É conotativo e também de muitos amigos, entre músicos, compositores e alguns seguimentos da sociedade que gostariam de ser representados por mim na Academia.

 

O que é mais prazeroso: compor um samba-enredo para a Vila Isabel, escrever um novo livro, ou cantar para milhares de pessoas?

Criar um samba-enredo, escrever um livro e cantar profissionalmente não é uma atividade somente prazerosa, há sacrifícios. Para tudo é necessário muita dedicação. O prazer só vem com o reconhecimento.

Um vídeo do sambista Martinho da Vila

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo e editor do Panorama Mercantil.