Entrevista publicada em 08/08/2017 por Eder Fonseca em Negócios
 
 

“Tenho clientes fiéis desde o início”
Sandra Duarte – Criadora da marca La Dolce Vita Bolos

Sandra Duarte

A empreendedora Sandra Duarte trabalhou de 1984 a 1992 na extinta Viação Aérea São Paulo (VASP), sonhava ser comissária de bordo. Cursou psicologia na FICOM e não concluiu. Um dado curioso na vida da empreendedora: Seu pai, o geólogo Breno Augusto dos Santos, foi o descobridor do minério de ferro em Carajás. Voltando a sua biografia, seguiu como autônoma atuando como representante comercial nos estados do Pará (PA) e Amapá (AP) mais precisamente no ramo de confecções. Há 4 anos (por insistência da filha) criou a marca La Dolce Vita Bolos. “Minha filha caçula, Marina Duarte, sempre que eu fazia um bolo dizia que eram lindos e que eu deveria investir no talento natural, eu ria muito e não dava credito a ela, então no dia 26 de janeiro 2014, ela criou um Facebook e um Instagram e me comunicou: “Mãe está aberta tua doceria!” Eu falei: “Esta maluca menina, cancela isso agora!” Ela ria muito, não cancelou e falou: “Ou é o sucesso ou o fracasso, ou tu vais ganhar muito dinheiro ou muita experiência, não tens nada a perder”, afirma a empresária que sonha em ter um espaço físico para o seu empreendimento: “Tenho planos sim, os clientes cobram muito ter uma loja, para poderem ir a hora que quiserem comer meus bolos. Então quem sabe, vai virar realidade o sonho de um aconchegante ateliê, com espaço de venda cheio de mimos, porque se não for cheio de mimos, não é padrão La Dolce Vita Bolos”.

 

Sandra, gostaria que falasse um pouco da sua carreira até chegarmos aos dias atuais.

Trabalhei de 1984 a 1992 na extinta VASP, sonhava ser comissária de bordo, cursei psicologia na FICOM e não conclui. Segui como autônoma como representante comercial, atuando no estado do Pará (PA) e Amapá (AP) há 25 anos, no ramo de confecções, eis que há 4 anos surgiu minha doceria La Dolce Vita Bolos.

 

Em sua biografia, existe algo curioso: seu pai descobriu o minério de ferro em Carajás. O que existe nele que você de certa forma herdou?

O amor em tudo que faço. Meu pai sempre me disse: Seja qual for a carreira que escolher, seja o melhor que puder, seja honesto. Tenho um senso crítico aguçado, isso também é herança dele [Risos]. Sou uma eterna romântica sonhadora, como ele sonhou um dia, que tudo pudesse ser ferro em Carajás.

 

Antes da La Dolce Vita Bolos, pensava em ser uma empreendedora?

Jamais, inclusive estou engatinhando nesse sentido. É um mercado encantador, lidamos com sonhos, cada bolo que entrego é um desejo atendido.

 

Como surgiu a ideia da sua empresa?

Minha filha caçula, Marina Duarte, sempre que eu fazia um bolo dizia que eram lindos e que eu deveria investir no talento natural, eu ria muito e não dava credito a ela, então no dia 26 de janeiro 2014, ela criou um Facebook e um Instagram e me comunicou: “Mãe está aberta tua doceria!”

Eu falei: “Esta maluca menina, cancela isso agora!” Ela ria muito, não cancelou e falou: “Ou é o sucesso ou o fracasso, ou tu vais ganhar muito dinheiro ou muita experiência, não tens nada a perder”.

 

Quais são as maiores dificuldades quando se opera em uma empresa que não funciona de forma física?

São muitas! A família sempre ajuda, mas minha cozinha hoje é prioridade da La Dolce Vita Bolos. Em dias de muita encomenda, nem almoço é feito (pedimos comida fora). Vida pessoal fica uma bagunça, já me passaram mensagem de madrugada para orçamento, se você não responde logo, muitos não gostam. Em datas comemorativas então (tipo Natal), respiramos bolo 24 horas [Risos]. Tem ainda a questão de vender às vezes sem saber se é alguém de confiança, que não vai te dar bolo [Risos]. Não peço sinal, os clientes pagam no ato da entrega.

 

E quais as maiores facilidades que você encontra operando de forma online?

Poder administrar meu tempo e vida social! O fato de não ter custos com um ponto (aluguel, luz, condomínio, etc) já que é tudo feito em minha casa.
La Dolce Vita Bolos

Intuição: A criadora da marca La Dolce Vita Bolos Sandra Duarte (Foto: Arquivo)

 

No que o uso das redes sociais têm facilitado a sua carreira?

Principalmente a divulgação do meu trabalho! Foi através dela que cheguei até aqui!

 

Gostaria que falasse quais os maiores diferenciais dos seus produtos.

Tudo muito caseiro, como antigamente. Bolo feito com uma boa manteiga, aquele bolo de vó sabe? Fofinho, com sabor. Não abro mão dos produtos da Nestlé, o verdadeiro Leite Moça. Mas minha marca registrada é que meus bolos são cobertos com brigadeiro colorido, não são cobertos com pasta americana. A pasta americana entra apenas nas modelagens. Isso faz com que você coma um bolo coberto e recheado de brigadeiro.

 

Você ressalta que a honestidade com os clientes é fundamental. Como tem sido o feedback recebido pelos consumidores do seu trabalho?

Sensacional, foi a propaganda boca a boca que me fez crescer, além é claro da divulgação nas redes sociais. Tenho clientes fiéis desde o início e chegam novos toda semana.

 

Uma coisa que notamos em seu trabalho é o extremo cuidado artístico. Como você desenvolveu esses detalhes, que fazem o seu trabalho ser único?

Então, meus pais dizem que eu desenhava muito bem na infância, que até gibi eu fiz. Acho que é um dom natural que estava adormecido [Risos]. Cada bolo é um desafio, é um pouco de mim sabe, eu executo pensando o tempo todo na alegria que o cliente vai ter ao receber e também ao comer. Então sempre pesquiso na internet quando tenho dúvidas, também fiz 3 ou 4 cursos com a mestra Ana Elisa Salinas, ela é sensacional!

 

Como enxerga a La Dolce Vita Bolos em um futuro próximo?

No mercado atual do nosso país, já fico feliz dela estar sobrevivendo. Mas tenho planos sim, os clientes cobram muito ter uma loja, para poderem ir a hora que quiserem comer meus bolos. Então quem sabe, vai virar realidade o sonho de um aconchegante ateliê, com espaço de venda cheio de mimos, porque se não for cheio de mimos, não é padrão La Dolce Vita Bolos.

Um vídeo da mestra de Sandra Duarte

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo e editor do Panorama Mercantil.