Entrevista publicada em 02/10/2017 por Eder Fonseca em Negócios
 
 

“Vale buscar parcerias com outros negócios”
Dirce Alves – Jornalista e diretora da plataforma Estratégia & Marketing

Dirce Alves

Dirce Alves é jornalista e diretora da plataforma Estratégia & Marketing, tendo 25 anos de atuação no mercado corporativo. A sua plataforma oferece soluções online para empreendedores de quaisquer áreas e tamanhos de negócio. Portanto, se você tem um pequeno salão de beleza, ou um escritório de contabilidade, seja o que for, você não precisa mais ficar, esperando os clientes que vêm atraídos pelo letreiro ou pelo boca a boca dos conhecidos. “São dezenas de dicas práticas para apoiar o pequeno empresário na formulação da sua estratégia de marketing e de comunicação”, fala a jornalista e idealizadora da plataforma. Segundo o Sebrae, as micro e pequenas empresas representam 27% do PIB brasileiro. Já são mais de 10 milhões de micro e pequenas empresas que contratam uma média de 52% da mão de obra formal e respondem por 40% da massa salarial brasileira. Esse número só cresce a cada ano, portanto é fundamental diferenciar-se das demais, se destacar e ser vista. “Não adianta pulverizar a verba achando que vai aparecer mais; é preciso fazer ações pontuais, mas que sejam constantes, construindo assim uma imagem e uma reputação consistentes. (…) Em 2008, após participar de um curso de liderança interpessoal, eu conversei com vários empresários presentes e alguns deles falavam que gostariam de “poder” contratar os serviços de uma consultoria ou assessoria de marketing e comunicação”, afirma Dirce Alves.

 

Dirce, nos fale um pouco da sua carreira até chegar nos dias atuais.

Sou jornalista de formação. Tenho 25 anos de atuação no mercado corporativo. Na minha trajetória profissional fui assessora de imprensa de grandes e médios clientes, atuei no treinamento de executivos para falar em público, participei da redação de dois livros voltados à área ambiental. Atuei na área de comunicação de diversos setores da economia, conhecendo realidades de diversos segmentos. Sempre acreditei que os serviços de comunicação usados pelos médios e grandes negócios poderiam também ser utilizados, numa escala menor, pelos pequenos e micro proprietários. Evidentemente com escopos e projetos específicos.

 

Você é jornalista de formação. Como se deu o seu interesse pelo marketing?

Isto mesmo. Para atuarmos na comunicação corporativa é preciso entender o mercado de cada segmento e usar ferramentas para criar os atrativos e fazer acontecer a inovação. Na plataforma Estratégia & Marketing, temos profissionais com grande experiência na área de marketing em diferentes meios – varejo, serviços e indústrias.

 

Em que momento surgiu a ideia da plataforma Estratégia & Marketing?

Em 2008, após participar de um curso de liderança interpessoal, eu conversei com vários empresários presentes e alguns deles falavam que gostariam de “poder” contratar os serviços de uma consultoria ou assessoria de marketing e comunicação. Eles diziam que não podiam contratar em função dos valores. Bem, aí, foi o “despertar” para ação. Começamos alguns projetos para pequenos negócios, mas o atendimento in loco e mesmo os custos mensais acabavam não ficando viáveis nem para a empresa (que eu era sócia) e nem para o pequeno negócio. Começamos outros modelos, mas ainda as contas não fechavam. Depois começamos a buscar parceiros de negócios para a viabilização do serviço. Assim, encontramos a Gmax Corp, que é a responsável pelo desenvolvimento da plataforma online.

 

Quando uma estratégia de uma empresa pode ser chamada de bem-sucedida?

Quando ela dá os resultados esperados. Por isso, o importante é dedicar tempo ao planejamento, ter objetivos claros e tempo para a execução.

 

Num momento turbulento como vivemos, como convencer uma empresa para disponibilizar de 5 a 10% do seu capital para investimentos em comunicação e marketing?

Traçar uma estratégia, envolvendo marketing e comunicação, é uma forma de se diferenciar no mercado e obter os resultados esperados. O importante é fazer um bom plano e realizar as ações de forma gradual. Conforme ocorrer o investimento bem gerenciado e com ações pontuais, o retorno virá e passará confiança. Numa época de crise, quem tiver ações diferenciados, terá mais chances de melhor retorno.

 

Quais são os erros das empresas que pensam que estão investindo em estratégia e marketing?

Vou elencar os mais comuns, digo isso, dos pequenos negócios:

Pesquisa de mercado, antes de iniciar um negócio é fundamental conhecer a área de atuação (localização, concorrentes, ciclo de vida do negócio).

Não ter claro o que é negócio, quais os benefícios dos produtos e serviços, os diferenciais.

Preço é tudo. Acreditar que apenas o preço é o fator de decisão. Em alguns casos, até pode ser, mas o atendimento e outros atributos fazem a diferença!

Não conhecer o cliente (faixa etária, sexo, preferência, quem decide pela compra etc.)

Falta de investimentos no treinamento da equipe. Um erro de atendimento pode colocar tudo a perder.

Deve-se dedicar tempo à comunicação – porque tudo comunica – site, cartão, delivery, folder, redes sociais, uniformes, mídia etc. Tudo deve ser harmonizado com o tipo de serviço e produto.

Não ter periodicidade na comunicação com os clientes. Fazer uma ação e depois parar.

Não ouvir o cliente. Faça pesquisas de satisfação. Se for um estabelecimento comercial, reserve um tempo para conversar com seu cliente. Faça uma enquete, mas o melhor é o contato pessoal. Ouvir o cliente pode trazer dicas importantes para aprimorar serviços e produtos, além de estreitar o relacionamento.
A jornalista

Soluções: A jornalista e idealizadora da plataforma Dirce Alves (Foto: Divulgação)

 

Você afirma que criar atrativos é fundamental. Quais atrativos você citaria como primordiais para uma boa divulgação?

Os atrativos vão depender do ramo de atuação. Vale a pena considerar: premiações, programas de fidelidade, degustações de produtos e serviços, mídias sociais. Por exemplo, um restaurante pode estruturar um festival com periodicidade, convidar artistas para lançamentos, promover cardápios especiais para assim promover o restaurante. Também vale buscar parcerias com outros tipos de negócios para levar novos públicos no estabelecimento.

 

Pulverizar uma verba é o erro mais comum das empresas que querem vender produtos ou aparecer de certo modo?

Então, pulverizar demais sim. Uma boa estratégia prevê frequência, um trabalho bem feito. É melhor fazer menos, mas com qualidade do que fazer vários materiais e ações sem um conteúdo interessante.

 

A plataforma é voltada apenas para as pequenas e micro empresas?

O foco é voltado aos pequenos e micro negócios. Evidentemente, outras empresas podem contratar os serviços de revisão, consulta e até uma segunda opinião sobre uma campanha ou ação. Temos também outras opções de atendimento além do online.

 

Poderia nos citar algum caso de uma empresa que saiu extremamente satisfeita com a plataforma depois de bater muito a cabeça por aí?

Um deles é de uma psicoterapeuta, que a plataforma ajudou a construir o site, definir o público alvo e traçar uma estratégia de atuação. O nome dela é Regiane Romero. O outro é o e-commerce Beauty for You.

 

Como você enxerga a plataforma nos próximos anos e o que fará para que ela se torne diferenciada no mercado em que atua?

Acredito que a plataforma irá se expandir e contemplar novos serviços. Vamos atuar com parcerias com associações e investir na divulgação dos serviços, buscando apoiar o pequeno e micro empresário.

Um vídeo da jornalista Dirce Alves

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo e editor do Panorama Mercantil.