Cinema
 
Assunção Hernandes
Assunção Hernandes
Assunção Hernandes
 

“O digital é uma nova modalidade”
Assunção Hernandes – Sócia-diretora da Raiz Distribuidora Audiovisual

 
15/01/2019
 



Assunção Hernandes começou no cinema quase por acaso. Quando a entidade estudantil quis produzir documentários, Assunção terminou sendo chamada, por sua organização e capacidade. No período em que trabalhou na UEE, a produtora conheceu o então estudante de engenharia e mais tarde diretor de cinema João Batista de Andrade. Casaram-se em 1964, tiveram dois filhos, realizaram 8 longas de ficção e uma dezena de documentários, a partir da produtora que criaram juntos em 1974, a Raiz Cinematográfica. Filmes produzidos por Assunção Hernandes ganharam dezenas de prêmios nacionais e internacionais, destacando-se o de Melhor Filme no Festival de Moscou em 1981 para “O Homem que Virou Suco”; o de Melhor Atriz para Marcélia Cartaxo no Festival de Berlim em 1986, por “A Hora da Estrela”; além do Grande Prêmio Técnico em Cannes em 1992 para "El Viaje", de Fernando Solanas. Assunção Hernandes foi presidente do SICESP (Sindicato da Indústria Cinematográfica do Estado de São Paulo) entre 2000 e 2003. Participou como conselheira do Conselho de Comunicação Social, órgão de assessoria do Senado Federal (2001 a 2004) e foi membro do Conselho Paulista de Cinema (2003 a 2005). Fez parte da diretoria da FIESP, entre 2000 e 2003. Em 2004, em homenagem aos 30 anos de atuação da Raiz Cinematográfica, foi criado em Diadema o Cineclube Assunção Hernandes.