Pensamento
 
Maria Francisca Mauro
Maria Francisca Mauro
Maria Francisca Mauro

No último dia 11 de outubro foi o Dia Mundial da Obesidade (doença que acomete 19,8% da população nacional, segundo dados recentes do Ministério da Saúde). Caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, a obesidade pode ser causada por fatores nutricionais, fisiológicos, genéticos, psicológicos e comportamentais. Como forma de tratamento e controle da doença, a cirurgia bariátrica se tornou uma opção cada vez mais popular. De acordo com informações da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, a procura pela cirurgia aumentou 47% em apenas cinco anos. Apesar de ser uma alternativa eficiente, o método nem sempre apresenta resultados definitivos, principalmente se o paciente não recebe o apoio psiquiátrico antes, durante e depois do procedimento. “Dados apontam que cerca de 40% das pessoas que se submeteram a essa intervenção podem ter algum grau de reganho de peso, incluindo a recuperação total do que foi perdido”, explica a psiquiatra Maria Francisca Mauro, do grupo Programa de Obesidade e Cirurgia Bariátrica do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF/UFRJ). Em mesa apresentada durante o Congresso Brasileiro de Psiquiatria, realizado no dia 09 de outubro, no Riocentro, a especialista debateu sobre transtornos alimentares e saúde mental pós-bariátrica. "Hoje existe um grande preconceito contra as pessoas com obesidade", afirma a psiquiatra.