Pensamento
 
Roberto Romano
Roberto Romano
Roberto Romano
 

“Ainda vivemos as mazelas do absolutismo”
Roberto Romano – Professor de Ética e Filosofia da Unicamp

 
01/10/2014
 



Roberto Romano é professor de Ética e Filosofia na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Filho da comunhão de uma família paulista que ia em direção ao Sul e de uma família gaúcha que seguia em direção ao Norte, cresceu em uma região predominantemente rural. Graduado em Filosofia pela USP (Universidade de São Paulo) e doutor em Filosofia pela École des hautes études en sciences sociales, de Paris. Escreveu os livros: "Moral e Ciência - A Monstruosidade do Século XVIII"; "O Caldeirão de Medéia", (São Paulo, Imprensa Oficial); "Cidadania – Verso e Reverso", (Ed. Guanabara); "Lux in Tenebris" (Meditações sobre Filosofia e Cultura), (Cortez Editora); "Silêncio e Ruído", (Ed. da Unicamp); "Silence et Bruit", (Ed. do autor); "Brasil, Igreja contra Estado", (Ed. Kayrós - 1979); "Conservadorismo Romântico", (Ed. Brasiliense - 1981). "A democracia sempre é a maior prejudicada quando um partido permanece no poder durante muito tempo. É uma tendência natural que todo grupo queira conquistar e manter o mando. Mas a política não é algo “natural”, ela é produto da cultura e das técnicas de Governo. (...) A dialética do campo e da cidade é algo conhecido desde a era em que Babilônia, Atenas, Roma, mandavam no mundo. Sempre que há uma concentração de pessoas em espaço limitado, formando urbes, existe um descompasso ético coletivo", afirma o professor.