Entrevista publicada em 23/09/2020 por Eder Fonseca em Negócios
 
 

“É um mercado em extrema ebulição”
Paulo Gomes – CEO da PagueVeloz

Paulo Gomes

Uma integração entre o ambiente virtual e os caixas físicos da Tecban vai permitir que os clientes da fintech PagueVeloz, que oferece soluções de meios de pagamento para pequenos negócios, possam sacar seus saldos em caixas eletrônicos. Serão mais de 23 mil unidades do Banco24Horas à disposição dos usuários, que poderão realizar a transação através de QR Code. O objetivo do novo serviço, de acordo com o CEO da PagueVeloz, Paulo Gomes, é unir a agilidade do meio virtual com a facilidade de acesso ao crédito no ambiente físico. “Nossos clientes podem localizar através do app da PagueVeloz o caixa mais próximo e, via leitura do QR Code da plataforma realizar a transação rapidamente”, diz. O limite inicial de saque será de R$ 500,00. Além do acesso rápido ao dinheiro em espécie, sem a necessidade de transferência a uma instituição bancária tradicional, Paulo destaca que o saque digital vem para agregar mais serviços à plataforma, tornando a PagueVeloz uma conta digital completa e ainda mais acessível aos pequenos negócios. Fundada em 2013, a PagueVeloz atua especialmente no segmento automotivo, com forte presença em oficinas mecânicas, despachantes e autoescolas. São mais de 100 mil contas e crescimento constante. Aderiu ao Pix, Sistema de Pagamentos Instantâneos do Banco Central, e ampliou o serviço de pagamento por link, para garantir a rotina dos clientes.

 

Paulo, como se encontra o ecossistema das fintechs em nosso país?

É um mercado em extrema ebulição. Atualmente, no Brasil existem mais de 600 iniciativas nesta área. São empresas que desenvolvem soluções financeiras variadas, para diferentes públicos/negócios. Essa desburocratização do mercado financeiro é uma tendência crescente e deve gerar cada vez mais inovações para transformar e simplificar a gestão financeira. Acredito que o brasileiro está muito mais exigente e bem informado quando o assunto é finanças e a popularização de serviços facilitados acaba tornando a procura ainda maior. E essa movimentação força até mesmo instituições mais tradicionais a se adequarem, oferecendo soluções cada vez mais simplificadas.

 

No que esse ecossistema ainda é falho?

Na dependência que as fintechs têm dos bancos tradicionais para ofertarem serviços financeiros aos seus clientes, como exemplo, podemos elencar os pagamentos de contas de consumo (água, luz, telefone, etc) e tributos, transferências entre bancos, geração de fichas de compensação (boletos), dentre outros.

 

Como se deu a criação da PagueVeloz?

A PagueVeloz surgiu dentro de uma outra empresa, em 2012. O sócio-fundador, José Henrique Kracik da Silva, atuava na empresa da família, que desenvolve softwares de gestão. E um dos desafios dos clientes dessa empresa era a gestão financeira dos negócios, pois, era MPEs que precisavam emitir/gerenciar boletos ou realizar cobranças via cartão de crédito e se deparavam com altas taxas e burocracias. Foi assim que surgiu a plataforma da PagueVeloz, inicialmente para prover a emissão e gerenciamento de boletos bancários. Em poucos meses o que era para ser uma solução complementar se tornou um negócio próprio. Aos poucos, a plataforma foi ganhando novos recursos e hoje é uma conta digital completa para pequenos negócios, que podem emitir/gerenciar boletos, realizar cobranças via cartão de crédito ou link de pagamento, pagar contas, realizar transferências, simular venda parcelada, enviar SMS para clientes, e até mesmo solicitar crédito.

 

Quais os principais pilares da fintech?

Agilidade, pois, hoje os saldos das vendas caem na conta dos nossos clientes no mesmo dia – mesmo no caso de uma venda parcelada no cartão, em que o empreendedor pode optar por receber o saldo total na hora da venda. Desburocratização, porque atuamos para tornar o processo de gestão financeira simples e ágil, através de uma plataforma intuitiva. Inovação, porque estamos alinhados com as melhores práticas do segmento e sempre de olho no que há de mais interessante para o nosso negócio e nossos clientes. Atendimento e Equipe, pois, também o cuidado com as pessoas, porque priorizamos atendimentos personalizados, além de entender que a empresa só chegou até aqui graças a equipe que faz dela ser um negócio de sucesso.

 

Acredita que as soluções da PagueVeloz estão sendo revolucionárias?

Sem dúvida. São iniciativas que tornam a rotina dos pequenos negócios muito mais práticos. Hoje, na maioria dos nossos clientes, é o próprio dono que cuida da gestão financeira. Por isso, quanto menos processo burocrático ele tiver, mais tempo vai ter para se dedicar ao “core” do seu negócio. Além disso, nossas funcionalidades permitem o giro de caixa, fundamental para que essas empresas possam investir e realizar uma boa gestão financeira. Por fim, também são tecnologias de ponta que são traduzidas em processos simples para o cliente. Por exemplo, nosso cliente poderá sacar seu saldo da conta digital, sem a necessidade de cartão, ou seja, diretamente pelo aplicativo, na rede do Banco24Horas, que tem milhares de caixas eletrônicos pelo país. É uma iniciativa que une o ambiente digital com o analógico, garantindo mais uma facilidade.

 

Quais os maiores diferenciais da PagueVeloz em sua visão?

A entrega rápida de soluções que são alinhadas com a realidade dos clientes. Estamos muito próximos dos pequenos negócios, por isso entendemos o que eles precisam. Uma das verticais em que atuamos é o de oficinas mecânicas. No início da pandemia, por exemplo, liberamos a opção de recebimento por link, para que o mecânico pudesse seguir com o seu trabalho sem depender da presença do cliente para efetuar a cobrança. Além disso, com a opção de simular a venda parcelada, ele consegue verificar de forma intuitiva os custos envolvidos e verificar se os valores cobrados irão lhe garantir o lucro necessário.
O CEO da PagueVeloz

Novos Caminhos: O CEO da PagueVeloz, Paulo Gomes (Foto: Rodrigo Parucker)

 

Fale um pouco mais sobre as soluções de meios de pagamentos para os pequenos negócios.

Temos uma conta digital completa para pequenos negócios e também pessoa física. O nosso cliente pode emitir/gerir boletos, solicitar a maquininha para cobrança via cartão de crédito e receber o saldo da venda na hora, na sua conta digital. Lembrando que a nossa conta não tem anuidade e nem cobrança para transferências entre contas PagueVeloz. O cliente pode ainda transferir seu saldo para outra instituição bancária, ou para um cartão de débito que oferecemos, pagar contas e até mesmo solicitar crédito – no CréditoVeloz ele não tem uma data fixa para pagamento de empréstimo, mas sim um desconto percentual escolhido por ele sobre as vendas. Ou seja: amortece o saldo devedor sobre suas vendas e se não vender não tem a parcela fixa o comprometendo. Além disso estamos homologados para aderir ao Pix, Sistema de Pagamentos Instantâneo do Banco Central, que deve entrar em vigor em 16 de novembro. No final de agosto, os clientes poderam sacar seus saldos nos caixas eletrônicos da rede Banco24Horas.

 

Como essas soluções têm ajudado os pequenos negócios nessa pandemia?

A gerir melhor seus saldos, não comprometendo as finanças com parcelas fixas de crédito, tendo um giro de caixa rápido.

 

O que foi fundamental para a PagueVeloz acelerar nessa pandemia?

Estar alinhada com as principais tecnologias do mercado e utilizá-las para suprir as necessidades dos clientes. Entender a rotina das empresas nos setores em que atuamos e prezar pela proximidade com quem usa a plataforma, entendendo assim a sua aderência. Ter uma equipe altamente qualificada e produtiva.

 

Qual o impacto do Pix para o seu negócio?

O maior impacto que este sistema trará para o mercado financeiro como um todo será a digitalização de processos em larga escala. Para o cliente PagueVeloz significa que ele terá a mesma agilidade já oferecida por nós por parte das instituições bancárias tradicionais. Por exemplo: hoje uma transferência PagueVeloz ao banco é processada na hora. Com o Pix, o mesmo vai acontecer com o caminho inverso (banco ao PagueVeloz). Essa “globalização” da rede bancária vai derrubar barreiras que hoje são impactantes para os negócios, como a demora na compensação de saldos.

 

Como vislumbra a PagueVeloz no pós-Covid?

No nosso caso, estávamos acompanhando o Covid desde meados de dezembro/2019. No mês de março/2020, quando se iniciou, em nível nacional, o processo de isolamento e distanciamento, começamos a nos estruturar com a estratégia de cuidar da nossa liquidez, do quadro de nossos colaboradores, nos aproximar dos nossos clientes dos nossos parceiros, fornecedores e da sociedade. Paralelamente a isso, aproveitamos para aumentar o quadro de nosso time. Como conjunto, nossa estratégia deu certo e já estamos operando bem acima do período pré-crise. Considerando ainda que nos aproximamos mais de nossos clientes, entendemos mais ainda as dores que eles têm e ajustamos nossa operação para diminuir estas dores de forma que, com certeza cresceremos mais ainda à medida que o comércio vá voltando à nova normalidade.

Um vídeo da fintech PagueVeloz

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo do Panorama Mercantil.