Entrevista publicada em 21/11/2019 por Eder Fonseca em Negócios
 
 

“Muita coisa ainda precisa ser feita”
Claudio Zini – Diretor-presidente da Pormade Portas

Claudio Zini

Fundada em 1939, a Pormade Portas é uma das maiores fabricantes de portas do Brasil. Há 80 anos, a empresa atua para manter a mais alta qualidade de seus produtos. Está localizada em União da Vitória (PR). A companhia conta, atualmente, com mais de 650 colaboradores, 100% envolvidos em um processo de gestão inovador. Com grandes áreas de florestas plantadas e um parque industrial completo com 102 mil m² construídos, a Pormade controla toda a produção. A estrutura permite que a empresa tenha um dos melhores padrões de qualidade da América do Sul. Com um faturamento, em 2018, de R$ 145 milhões, a Pormade investe em pessoas e produtos como estratégia competitiva. “O projeto teve início no final de 2016 e, desde então, buscamos novas estratégias para aprimorar e melhorar esse meio, que acaba sendo também mais uma plataforma de relacionamento com nossos clientes”, afirma Claudio Zini, diretor-presidente da Pormade Portas. A ideia de iniciar a operação online surgiu da preocupação do executivo em acompanhar a evolução tecnológica e utilizá-la a favor do negócio. “O mundo digital veio para ficar e está em um momento de crescimento exponencial. Sabemos bem que tudo o que está no meio do caminho e não se adeque a era digital talvez desapareça. Dessa forma, ter um canal que vá do fabricante ao consumidor final se fez muito necessário em nossa estratégia”, reforça.

 

“O segredo do sucesso é abraçar os problemas”; “Felicidade dá resultado financeiro”. Essas duas frases ditas pelo senhor nos chamou bastante atenção. O senhor segue alguma filosofia que também aplica ao mundo dos negócios?

Sim. Confiar é uma delas. Confiar é mais barato. Mas para tanto temos que dizer sempre a verdade. Nós na Pormade dizíamos que éramos uma grande família, mas uma família de 5 já não é fácil, imagina então uma de 650 pessoas. Se alguém pisa nos valores da empresa tem que sair. E uma família não manda ninguém embora. Então era uma mentira. Portanto, mudamos. Temos sentimento de família, pois, quando só falamos a verdade, criamos confiança e esse é o nosso maior ativo intangível. Com confiança, eliminamos a burocracia que é um veneno, e assim temos mais velocidade, bem como resultado. Com confiança temos a inteligência coletiva, que é a maior riqueza do ser humano.

 

Como as observações externas e as inquietações internas lhe moldaram como homem e como empresário?

Muito devo ao DNA da minha mãe, que foi sempre de procurar melhorias e crescimento. Particularmente, tenho um imenso prazer em ver as pessoas crescendo a minha volta. Sinto que a minha função principal na Pormade é de criar condições favoráveis à manifestação da genialidade latente nos colaboradores que me cercam.

 

Muitos executivos falam sobre ética nos dias atuais. Como essa palavra está colocada no seu dicionário pessoal?

Ética é um conjunto de princípios e valores para vivermos em comunidade. E a meu ver é querer o bem ao próximo. É atender da melhor forma possível o cliente interno, o que refletirá diretamente no atendimento ao cliente externo. Benjamin Franklin deixou uma frase que carrego para a vida: “Quando você é bom para os outros, você é melhor para você mesmo”.

 

Em que momento a ideia da Pormade Portas (uma empresa tradicional) se tornou real e formatada para o mundo digital?

Seguimos muito as estratégias apresentadas pelo especialista em inovação, Arthur Igreja, onde ele deixa bem claro que a inovação e a tecnologia não pedem licença, elas pedem desculpas. Por isso, estamos montando uma infraestrutura tecnológica. Mas sabemos que é preciso paciência, pois, inovação é futuro e o futuro não tem faturamento. O lucro só virá quando o futuro se tornar presente. Na Pormade, aplicamos também as ideias defendidas pelo guru Jim Collins, que afirma que as empresas feitas para vencer não se concentraram, prioritariamente, no que fazer para se tornarem excelentes, mas no que não fazer e no que parar de fazer.

 

Quais os principais pilares da empresa?

Os principais pilares da Pormade estão alicerçados nos dez valores da empresa. Porém, o que eu enfatizo sempre é que devemos desobedecer para fazer melhor. Não é para fazer o que foi pedido apenas. O colaborador faz o que ele acha que é melhor para a empresa, pois é quem está mais perto do trabalho e, consequentemente, quem mais entende dele. Atualmente, uma companhia de sucesso funciona como um organismo vivo, descentralizada. Além disso, acredito muito que inovar é errar sem perder as esperanças e que os erros são tesouros quando mostrados, evidenciados e discutidos. Na Pormade, nós incentivamos o erro no inovar.

 

Como esses pilares circundam o DNA da organização?

Com muita inovação. Na empresa, todos têm liberdade total, mas com responsabilidade de dono, pois, os colaboradores participam dos resultados nas melhorias e inovações. O trabalho nos dias de hoje não é mais por hora e, sim, por entrega. O que gera riqueza é a produção intelectual e não mais tarefas rotineiras. No mundo do emprego intelectual, até o horário de trabalho passou a ser um fóssil de uma era bem antiga, já que as ideias não batem cartão de ponto. Hoje, se faz dinheiro com neurônios e os neurônios precisam estar felizes.
diretor-presidente da Pormade

Inovações: O diretor-presidente da Pormade, Claudio Zini (Foto: Divulgalção/AP)

 

Qual o maior diferencial da Pormade e como esse diferencial faz toda a diferença?

Na Pormade nós trabalhamos muito com amor, principalmente, o amor de família. Nós temos uma cultura que não é de controle. O poder exercido é através das pessoas e não sobre elas. Sem os colaboradores não seria ninguém. E para conseguir sucesso nesse aspecto o segredo é ser amado pelos colaboradores. E o nosso diferencial está na qualidade de vida no trabalho.

 

Como analisa o mercado em que a Pormade está inserida?

Muita coisa ainda precisa ser feita. A quantidade de conhecimento disponível é imensamente superior ao que se está usando e praticando. O consumidor final ao construir sua casa vai a uma loja comprar a folha de porta e outros componentes como batente, guarnição e fechadura, tudo separado e sem pintura. A Pormade oferece a porta pronta e instalada a preço de fábrica.

 

O senhor fala sempre em aumentar a qualidade do serviço. Qualidade deve ser algo em que se trabalha diariamente?

Sim, diariamente e, principalmente, na área de serviços. Costumo dizer que já passou a era das chaminés. Hoje, as empresas são prestadoras de serviço e serviço é gente. Não existe mais produto sem serviço adicionado. E quem constrói uma residência, provavelmente, não fará outra, portanto, é perda de tempo aprender a comprar porta.

 

Quais os próximos passos da empresa?

Nossos próximos passos estão direcionados à tecnologia e inovação, como vendas online, franquias e em ser um marketplace na área de construção e com serviço adicionado. Queremos utilizar ainda mais a Inteligência Artificial para levar ao consumidor uma porta de alta qualidade a um custo menor.

 

Qual a importância dos mais de 650 colaboradores para o sucesso do seu negócio?

O meu desafio é tornar a Pormade um parque de diversões, um ambiente onde todos tenham alegria ao fazer portas, pois, acredito que quando os colaboradores estão felizes, a produtividade e a qualidade são altas enquanto o custo é baixo. Temos um ambiente onde todos trabalham sempre sorrindo e felizes.

Um vídeo do empresário Claudio Zini

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo e editor do Panorama Mercantil.