Entrevista publicada em 03/07/2020 por Eder Fonseca em Negócios
 
 

“Não cobramos nenhum custo dos microempreendedores”
João Espíndola – CEO da plataforma Todo Cartões

João Espíndola

Com o Covid-19, as vendas de todo o comércio e das redes varejistas tendem a despencar, já que as pessoas não estão saindo para ir às compras. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), as categorias básicas como alimentos, bebidas, saúde e higiene pessoal apresentaram alta de 180% nas vendas desde 12 de março. E os pequenos negócios que movem a economia brasileira, como ficam? Com a proposta de fomentar a arrecadação desses negócios, em meio a uma das piores crises de saúde pública no país e no mundo, a Todo Cartões, startup que opera cartões presentes dos maiores varejistas do Brasil, desenvolveu uma versão da tecnologia adaptada para os pequenos negócios para que o repasse financeiro ocorra de forma rápida e eficiente, para manter em pé toda a cadeia produtiva do varejo e consumo. Gratuita, o objetivo é contribuir para que os microempreendedores possam gerar vendas antecipadas e ter capital de giro para enfrentar a crise sem ter que fechar as portas. “O único custo que os microempreendedores terão para vender seus cartões presente é com a taxa de cartão de crédito. Se fosse uma solução cobrada para uso, poderíamos faturar até R$ 100 mil/mês das empresas, mas essa não é a saída”, pontua João Espíndola, fundador e CEO da empresa, que já atende grandes redes de varejo do Brasil, como Riachuelo, Centauro, Outback, Havaianas e RiHappy.

 

João, o que motiva um empreendedor em momentos de crise?

Estamos logicamente apreensivos, mas seguimos confiantes de que mesmo na crise as empresas vão continuar investindo em soluções que geram receita e eficiência, que é o grande objetivo do nosso trabalho na Todo Cartões. São necessárias adequações, mas a crença de que podemos ajudar nossos clientes ainda mais nesse momento é o combustível que nos incentiva.

 

Como imagina o cenário para os empreendedores no pós-Covid-19?

Olhamos para os meses, e talvez os próximos anos pós-Covid-19, como um momento que vai exigir responsabilidade financeira. Sempre fomos uma startup bootstrap, que financiou seu crescimento com a própria geração de caixa, então temos essa responsabilidade no nosso DNA. Vamos seguir inovando e investindo em tecnologia, como sempre fizemos, mas a análise de onde investir será cada vez mais criteriosa. Além disso, entendemos que os fornecedores que forem parceiros de seus clientes nesses momentos difíceis, auxiliando na saída da crise e flexibilizando na medida de suas possibilidades, serão lembrados por isso.

 

Fale sobre a idealização da plataforma Todo Cartões.

A Todo Cartões nasceu para ajudar os varejistas a profissionalizarem seu cartão presente, tornando essa operação rentável e representativa para o varejo. Além disso, com escala conseguimos sempre gerar inovações que melhoram a experiência do cliente. Com o passar dos anos, incorporamos nas nossas soluções uma plataforma de listas de presente, tornamos a operação omnichannel, melhoramos a usabilidade no celular, lançamos uma API de gift cards e passamos a realizar a venda dos cartões presente dos nossos clientes, integrando com programas de incentivo, plataformas de fidelidade e marketplaces. Com isso, além de sermos parceiros tecnológicos hoje geramos vendas para nossos clientes.

 

Quais os maiores obstáculos para fazer o seu negócio dar certo?

Inicialmente nosso desafio foi mostrar para grandes varejistas que poderíamos assumir toda essa parte da operação para eles. Entregar para uma startup a responsabilidade de gerenciar transações financeiras, a 4 ou 5 anos atrás era algo impensável. Hoje contamos com clientes como Riachuelo, Outback, Centauro e Havaianas, então credibilidade não é mais um problema. Nosso grande desafio atualmente é equilibrar a gestão de um time cada vez maior, com uma cultura incrível, as diferentes possibilidades de inovação e o fluxo de caixa. Achar o ponto ideal que equilibra esses pontos é nosso maior desafio.

 

Que pilar sustenta a plataforma e que faz ela seguir o norte que sempre vislumbrou?

Entregar uma experiência incrível para os usuários, e dar a devida segurança tecnológica e financeira para nossos clientes. Nossa visão é a de ser a forma mais incrível de presentear e premiar em larga escala! Talvez a gente nunca vá conseguir substituir uma joia para quem vai fazer um pedido de casamento, mas para quem quer premiar equipes ou presentear a distância queremos ser a melhor experiência possível!

 

Como a plataforma tem ajudado os seus clientes neste momento de crise?

Somos uma forma de pré-vender qualquer coisa! Produtos, serviços, experiências, tudo isso pode ser feito através dos cartões presente, sejam eles para uso próprio ou para presentear, e com isso, o varejista recebe o valor antecipadamente e gera caixa para enfrentar a crise. Além disso, adicionamos na plataforma uma série de formas de estimular as vendas, como bônus na compra, promoções estilo compre e ganhe e até o uso como cashback a ser resgatado nas lojas quando as mesmas reabrirem. Tudo isso funciona para atrair o cliente em um momento de incerteza, e ganhar a preferência dele por nossos clientes.
Todo Cartões

Plataforma: O CEO da plataforma Todo Cartões, João Espíndola (Foto: Divulgação)

 

O modelo de negócio sofreu alguma alteração neste cenário turbulento?

Sim. Para nossos clientes de grande porte que estão em negociação estamos flexibilizando valores de setup, parcelando ou até mesmo isentando em casos de contratos mais longos. Além disso, lançamos uma plataforma totalmente gratuita para que pequenos negócios possam criar seus cartões presente e terem também essa operação, gerando caixa mesmo fechados pela quarentena. Os pequenos negócios são responsáveis por milhões de empregos, e essa foi nossa forma de colaborar com a economia nesse momento tão desafiador.

 

Qual é o custo para os microempreendedores?

Não cobramos nenhum custo dos microempreendedores, e sequer estamos faturando nessa operação. O pequeno negócio não tem nenhum custo de cadastro, e quando o cartão presente é vendido abatemos apenas a taxa de cartão de crédito e adiantamento dos recursos que somos cobrados, que é de 5% do valor do cartão presente. Com isso, em até 10 dias o valor já está na conta do pequeno negócio!

 

O que faz a campanha #todospresentes ter tanto êxito pra você?

Nosso time se dedicou para colocar essa operação com um padrão de qualidade super alto, e mesmo não sendo um produto da empresa queremos que a experiência dos pequenos e dos usuários seja incrível! Além disso, acredito que o mercado percebeu a boa intenção da ação, então tivemos muita divulgação espontânea entre os próprios empreendedores!

 

Como a Todo Cartões espera sair do pós-Covid-19?

Nossa meta é sairmos mais fortes do que entramos, trazendo novos clientes e ajudando os atuais a performarem nesse momento difícil. Claro que estamos sendo conservadores na gestão financeira, pois, alguns dos nossos clientes foram seriamente impactados, mas se entendermos que é possível pretendemos contratar e abrir vagas. A transformação digital acelerou em virtude do Covid-19, e isso para nós é oportunidade de acelerar processos que talvez andassem mais devagar.

 

E como um líder que está à frente de todo processo (que no caso é você) deve se comportar para que ações se tornem resultados efetivos?

É preciso muita serenidade. Tenho conversado com muitos empreendedores, fundos de investimento e executivos do mercado. Redes de apoio como o Cubo, Ciclo Empreendedor e a Endeavor, de que fazemos parte, têm sido incríveis, gerando muito conteúdo e troca de ideias sobre a crise e como superar esse momento. Muita gente teve que tomar decisões duras, como reduções de equipe e fechamento de operações. Não foi o nosso caso, mas claro que sofremos vendo o mercado ser afetado dessa forma. Quanto a nossa equipe, aumentamos o que sempre procuramos ter, que é uma comunicação clara, sincera e frequente. Procuramos garantir que todos estão bem instalados, e que estamos falando diariamente com todo o time. Nesse momento, é preciso cuidar da saúde financeira da empresa e da saúde mental do time. Só poderemos considerar que sairemos bem dessa crise se a empresa e as pessoas saírem bem dela.

Um vídeo da plataforma Todo Cartões

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo do Panorama Mercantil.