Ativismo
 
Luiz Mott
Luiz Mott
Luiz Mott

Luiz Roberto de Barros Mott, mais conhecido como Luiz Mott, nasceu em São Paulo em 1946, de uma tradicional família interiorana. Estudou em um Seminário Dominicano de Juiz de Fora. Formou-se em Ciências Sociais pela USP. Possui mestrado em Etnologia em Sorbonne e doutorado em Antropologia pela Unicamp. No ano passado, o antropólogo ocupou a 379ª posição na seleta lista dos 500 gays que tiveram maior impacto na sociedade divulgada pela revista holandesa ‘Winq’ e por sua versão internacional, ‘Mate’. O gênio das artes Leonardo da Vinci, o filósofo Sócrates e o rei da Macedônia Alexandre “O Grande”, estiveram no topo da lista. "Considero que os homossexuais são os mais odiados dentre todas os grupos minoritários na sociedade brasileira porque o amor entre pessoas do mesmo sexo foi secularmente considerado crime hediondo, condenado como pecado abominável, escondido através de um verdadeiro complô do silêncio, o que redundou na internalização da homofobia por parte dos membros da sociedade global, a iniciar pela repressão dentro da própria família, no interior das igrejas e da academia, inclusive dentro dos partidos políticos. (...) Foi Freud quem deu essa pista: todo homofóbico tem dentro de si uma bicha louca acorrentada ávida de soltar as plumas… A antropologia comprova que Schopenhauer, tinha razão ao dizer que a homossexualidade comprova ser parte da natureza", afirma o ativista.