Entrevista publicada em 23/01/2019 por Eder Fonseca em Negócios
 
 

“Um líder fraco tem um time medíocre”
Alberto Júnior – Fundador do Grupo Life Brasil S.A.

Alberto Júnior

Alberto Júnior é fundador do Grupo Life Brasil S.A., uma das maiores corretoras de seguros de vida do Brasil e CEO da Life Brasil Franchising. É State Chair e Top of the Table (maior classificação mundial de venda de seguro de vida do mundo na Million Dollar Round Table). Ao longo de sua carreira dirigiu mais de 700 vendedores nas equipes de vendas e conta com mais de 8000 visitas porta a porta. É escritor, palestrante, mentor e colunista sobre vendas, liderança e formação de times de alto desempenho. Autor do bestseller “A Lógica – Como Fazer Milhões Com Seguro De Vida” e editor do blog Empreendedor S.A., também no YouTube e Facebook. É CEO da OBCs (Organização Brasileira de Coaching em Seguros) e da Winner Aceleradora de Negócios. O empreendedor lançou no ano passado seu livro “Vendedor C.O.U.G.A.T.I”. Alberto Júnior já é um escritor best-seller com o grande sucesso de seu livro anterior, mas encarou o desafio de escrever uma nova obra. Dessa vez, focou no profissional ideal: aquele que não deixa o time e a empresa na mão em momentos críticos e que fosse, também, o mais qualificado. Ao longo da obra, o autor explica sobre como cada uma das palavras que formam a sigla funciona no mercado de trabalho e como aplicá-las no setor de vendas. “Acredito que a vida é uma questão de escolha e eu sempre escolhi me tornar alguém que fizesse a diferença”, afirma o empresário e autor.

 

Alberto, qual foi o motivo que o fez despertar para o mundo dos negócios?

A possibilidade de ser independente, de não ter que vender as horas por dinheiro e sim por um sonho grande.

 

Você vendia carnês aos 14 anos. Fale um pouco sobre isso.

Na verdade ao completar 15 anos vendi minha primeira apólice de seguro de vida. Nesse exato momento começou a minha jornada. Perto dos 19 tive a oportunidade de experimentar outros produtos para ver como eram os processos de venda. Com a experiência adquirida, formatei um modelo único de venda e diferenciado pelas minhas habilidades e condições. Eu vendi carnês anos depois para entender o processo, que me mostrou como fazer a venda porta a porta da maneira que eu acreditava ser importante.

 

O que ficou desse período no homem bem-sucedido em que se tornou?

Ficou de sempre acreditar que tudo é possível, com simplicidade e descontração, seja na dificuldade, seja na alegria. Isso nunca desapareceu. Acredito que a vida é uma questão de escolha e eu sempre escolhi me tornar alguém que fizesse a diferença. Para isso, é preciso ousar e ir além da média.

 

Por que a escolha pelo mercado de seguros?

Conheci o mercado de seguros muito cedo, através da minha família. Logo compreendi que era um ramo grandioso, porém, muito frágil, já que é considerado o mercado mais difícil de se ter sucesso. E disso surgiu o desafio: de querer me tornar uma referência no setor. Para buscar esse objetivo, precisei voar sozinho. Em 1998 montei minha própria empresa, do zero, sem recurso e sem experiência, mas com a certeza de que a vontade e a ambição era tudo o que eu precisava carregar.

 

No momento dessa escolha foi que surgiu o Grupo Life Brasil?

Não, na realidade a consolidação do Grupo Life Brasil ocorreu em 2012. Tínhamos como objetivo crescer ainda mais. Implantamos um modelo de governança, que iria nos diferenciar do mercado e nos tornamos o único Grupo focado e especializado em planejamento financeiro, blindagem patrimonial e sucesso. O Grupo se originou com apenas 3 empresas, sendo a primeira delas criada em 1998. Depois de 5 anos, controla quase 20 empresas.

 

Quais são os principais pilares da sua organização?

Consideramos como pilares os 3R’s – respeito, responsabilidade e resultado. E nossa missão, visão e valores são apenas um: fazer com que os outros se deem bem! Isto engloba toda nossa história.
Seu livro

Novo Livro: Alberto Júnior com sua obra “Vendedor C.O.U.G.A.T.I” (Foto: JRS/AP)

 

Que obstáculos tiveram que ser ultrapassados para você se destacar nesse ramo?

Para você conseguir acertar o sistema de venda é preciso tempo. Tempo para praticar, aprender, vivenciar, liderar, ser visto como diferenciado no mercado, promover uma marca que não conflita com valores. Todos os dias eu ouvia as pessoas à minha volta dizerem que ninguém compra seguro de vida. Para mim, eu não vendo seguro de vida, eu conscientizo pessoas e histórias para que meus serviços e produtos possam apenas servir de garantias de sonhos, conquistas e proteção à vida e para a vida.

 

Como o setor de seguros e franquias têm passado pela crise?

Eu costumo chamar o setor de seguros de mercado anticrise. Ele vem crescendo acima de 2 dígitos há anos e isso fortalece o mercado. Temos mais de 90% da população sem seguro de vida, esperando para comprar. O que falta são pessoas para oferecer, seja pela dificuldade de formatação, seja pelo modelo de vendas dos corretores. Nos especializamos na forma como deve ser feito. Este é o nosso grande diferencial e que agora está se espalhando para produtos de commodities, como automóvel, etc…

 

Qual fator é preponderante para a formação de times de alto desempenho?

Para mim a prova é a autoridade real do líder. Sem líder, sem time! Um líder fraco tem um time medíocre. Claro que também há a escolha das pessoas que farão parte do time, mas tudo começa pelo líder. Não tem como um líder pedir algo que nunca fez. Se palavras fossem a solução o dicionário seria o produto mais caro do mundo.

 

O que pretende trazer para os leitores com o seu livro “Vendedor C.O.U.G.A.T.I?”.

Que subam de patamar e saibam como e de que forma se tornar cobiçado e valorizado, independente do lugar em que estejam. Ele foi feito pela experiência prática, pois a teoria não faz parte do meu vocabulário para ter resultados reais. A teoria só baliza o sistema.

 

Como definiria a sua jornada na vida e no mundo empresarial até o momento?

Nascido para ser um eterno aprendiz.

Um vídeo do empresário Alberto Júnior

Patrocinado por:
Sapato Site




Imprimir

Eder Fonseca

 
Diretor executivo e editor do Panorama Mercantil.